Seguidores

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Ele conseguiu, mesmo depois de morto e mereceu.

Emoção: Kate Ledger recebe o Oscar pelo irmão.


Christopher Nolan e Heath Ledger

É triste, porém emocionante. Heath ledger em vida não tinha certas vaidades de perseguir determinadas premiações, isso é dito por quem o conheceu de perto. O que ele perseguia na verdade era a perfeição na arte de representar e não poupou esforços ao se transformar no maior vilão de todos os tempos, talvez o mais clássico entre outros que defenderam o mesmo papel e tantos que fizeram outros vilões do famoso super herói Batman. O seu personagem entrou para sempre na história do cinema e ele escreveu seu nome para sempre na constelação das grandes estrelas de Hollywood. Onde você estiver Heath, que esteja em paz, doce guerreiro.

Abaixo, texto retirado do site do TERRA informa:

"Heath Ledger ganha Oscar póstumo e emociona presentes"

Heath Ledger levou o Oscar póstumo de melhor ator coadjuvante por seu papel em O Cavaleiro das Trevas. O anúncio emocionou os presentes, que levantaram de seus assentos e aplaudiram, com euforia, a homenagem.

O ator já tinha recebido o Globo de Ouro e o Bafta, o Oscar britânico, por essa atuação.

Heath Ledger foi encontrado morto em janeiro de 2008, em seu apartamento em Nova York, após uma overdose de medicamentos. Sua interpretação em O Cavaleiro das Trevas foi aclamada pela crítica e o Oscar já era previsto seis meses antes da premiação, quando o filme estreou nas grandes salas mundiais.
Por conta dessa elogiada performance, O Cavaleiro das Trevas se tornou o segundo filme mais visto da história dos Estados Unidos.
Pai, mãe e irmã do ator receberam o prêmio em seu nome. "Eu quero agradecer a Warner Bros. e o Christopher Nolan por dar ao Heath a licença criativa para desenvolver e explorar esse personagem enlouquecido. O prêmio de hoje vai validar a aceitação de todos os seus colegas, numa indústria a qual ele tanto amava", disse Kim, pai do ator, visivelmente emocionado.

Um comentário:

Ricardo Steil disse...

O James Dean do nosso tempo. Será eterno, e inspirará tantos outros a serem tão grandes artistas quanto ele um dia foi. Lindo texto. Ricardo Steil